quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Se eu fosse uma popota também me sentava em cima dele. Ai sentava...


Faltavam dez minutos para as 13:00h entra um senhor estrangeiro com ar manhoso.



Eu: Boa tarde.
Ele: Bom dia.
Só ai já começou bem. E penso eu "se o ar é manhoso, a pronúncia então... mais manhosa é"
Eu: Posso ajudar?
Ele: Quero tratar a água, que equipamentos têm?
Eu: O que é que a água tem, qual o problema?
Ele: Não tem nada.
Eu: Mas, se não tem nada não precisa tratar.
Ele: (depois de muita enrolação de língua) Mas são os clientes que querem tratar a água, porque coiso e não sei que e bla bla bla e quero e quero e quero.
Eu: Nós temos variadíssimos equipamentos para tratar a água, dependendo do problema que tem. Se calhar o melhor é fazer uma análise à água e então já conseguiremos dizer qual o melhor tratamento a fazer, caso tenha algum problema.
Ele: bla bla bla whiskas saquetas bla bla bla whiskas saquetas, é água da rede própria para beber.
Eu: A água da rede é própria para consumo, já vem tratada, não precisa de mais nada. A não ser que tenha muito sabor a cloro ou calcário a mais e queiram melhora-la. (o homem começa a revirar os olhos)
Ele: nhenhenhe mimimi bla bla bla tratar água, lalalalalalalala, tratar água para beber.
Eu: (em silêncio e quase a dar-me um ataque de nervos)
Ele: (com cara de quem vai ter uma diarréia mental) A água da rede é boa?
Eu: É.
Ele: Uma vez bebi água da rede e caiu-me o cabelo todo. (depois de muitas cólicas mentais, cá está a bendita... e foi forte)
Eu: (silenciosa, olhando para ele apática e quase a dar-me um ataque de riso, tanto pela piada que acabou de me dizer, como pelo estado de loucura que estava a entrar e sendo, quase, capaz de lhe arrancar um olho à dentada)
Ele: Por isso não deve ser boa, bla bla bla whiskas saquetas, blablabla, mimimi.
Eu: (comecei a enumerar vários tratamentos de água e aparentemente um agradou-lhe o qual não foi espanto nenhum para mim pois ele já vinha com essa ideia na cabeça de certeza e tudo isto foi só para testar os meus nervos)
Ele: Ta bem, ta bem, ta bem. Como é essa osmose?
Eu: (muito educadamente explico o que faz)
Ele: ta bem, ta bem, ta bem. (assim ao despacha mesmo, como se estivesse a ser chata)
Eu: em pensamento - não sei bem o que pensei, mas deveria ser qualquer coisa como a jogar-me ao pescoço dele.
Entretanto fez-me mais perguntas e mal eu começava a explicar, ele... tcharannnn "ta bem, ta bem, ta bem". Pá, volta para a tua terra meu, cá não fazes falta nenhuma. A tua existência enerva-me.
Ele: qual o desconto que faz para profissionais?
Eu: Se for só venda posso fazer 20% :)
Ele: 20% isso é pouco.
Eu: --' humpf (já saturada) Pois, é o máximo que podemos fazer, a nossa margem também não é muito grande.
Ele: (olhando com cara de tarado sexual) ta bem, ta bem, ta bem.

Depois faz-me mais perguntas sobre o equipamento que não lembra nem ao menino Jesus e foi-se embora.

Pode parecer pouco, porque grande parte das expressões faciais do tipo não dão para explicar, só vendo mesmo.
Niguém merece.
Só por aqui se pode ver que é vender somente por vender, para lucrar à custa dos outros. As pessoas que ele veio representar até podem querer tratar a água porque eventualmente acham que não está boa por uma razão ou outra. Mas para se saber se é própria para consumo, faz-se uma análise e os resultados falarão por si. Se ter parâmetros que não estejam dentro dos valores correctos, faz-se um orçamento para tratar a água, se estiver tudo dentro de valores normais, não se faz nada. E a obrigação deste gajo era essa mesma, eles concerteza pediram-lhe a ajuda e ele deveria primeiramente solicitar a tal análise e explicar-lhes tudo isto. É meter a mão no bolso dos outros. E depois eu tenho que gramar com estas espécies raras. Tenho a sensação que ainda vou tê-lo por aqui mais algum tempo... cheira-me. :S

1 comentário:

Vânia disse...

uma vez bebi agua da rede e caiu-me o cabelo todo????ham???

há com cada atrasado mental neste mundo, bahhhhhhhhhh.

beijinhos